Aliados ocidentais pretendem chegar a um acordo sobre o limite do preço do petróleo russo

G-7 e UE estão discutindo um limite de cerca de US $ 60 por barril de petróleo para sancionar Moscou por sua invasão da Ucrânia.

Os EUA e seus aliados estão tentando chegar a um acordo já na quarta-feira sobre um nível para o limite de preço do petróleo russo. Autoridades discutem se vão fixá-lo em cerca de US $60 por barril, enquanto o grupo corre para concluir o plano, de acordo com fontes familiarizadas com as negociações.

O teto de preços, que as pessoas disseram que ainda poderia ser fixado em até US $70, está no centro dos esforços do Ocidente para sancionar a Rússia por sua invasão da Ucrânia. O Grupo dos Sete avançou. Juntos com a Austrália planejam começar a aplicar o teto de preços em 5 de dezembro, depois de lutar para elaborar os detalhes deste acordo neste outono.

Embaixadores dos 27 Estados-membros da União Europeia devem se reunir na quarta-feira, quando tentarão chegar a um acordo sobre um preço. O bloco precisa de um acordo unânime sobre o preço para que ele entre em vigor. Diplomatas alertaram que isso pode ser difícil de alcançar rapidamente. O G-7 pretende aprovar o limite logo após a UE.

O objetivo do plano, que foi duramente questionado pela secretária do Tesouro, Janet Yellen, é reduzir a receita das exportações de energia russas, evitando um aumento nos preços do petróleo.

Sob o programa, o G-7, a UE e a Austrália proibiriam a prestação de serviços marítimos para embarques de petróleo russo, a menos que o petróleo fosse vendido abaixo do limite de preço. Os países ocidentais esperam tirar proveito de seu controle de grande parte dos serviços de seguro. Dessa forma, promovendo o financiamento e transporte marítimo do mundo para ditar os termos das vendas de petróleo marítimo da Rússia.

Depois de martelar o programa de limite de preço por meses, selecionar o nível de preço real é a última grande decisão que o grupo de aliados deve tomar para concluir o plano. As negociações sobre o limite máximo continuam a ser controversas, uma vez que vários países, incluindo a Polónia e a Lituânia, apelam a um limite muito mais baixo fixado em torno do preço da produção. Autoridades polonesas disseram que o preço da produção é de cerca de US $20 o barril.

“Se você está introduzindo o limite de preço em US $60, US $65, isso soa razoável do ponto de vista de nossos aliados. Mas, do nosso ponto de vista, como eu disse antes, gostaríamos de ver o mínimo possível, que é o custo marginal de produção”, disse Oleg Ustenko, assessor econômico do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

Autoridades dos EUA querem definir o limite de preços alto o suficiente para seduzir a Rússia a continuar vendendo seu petróleo para os mercados globais, mesmo a preço limitado. Funcionários do governo Biden analisaram os preços do petróleo na Rússia antes da guerra, que tinham uma média de cerca de US $65 o barril, como um indicador de onde o limite deve ser definido.

O petróleo Brent foi negociado a cerca de US $88 por barril na terça-feira, embora dados da Refinitiv mostram que o petróleo russo foi negociado em torno de US $26 por barril abaixo do Brent nos últimos dias. Traders e analistas dizem que o desconto médio no petróleo russo pode, de fato, ser muito mais estreito do que isso.

Os EUA têm procurado tornar a aplicação do limite de preços relativamente relaxada, pressionando a UE a alterar seu plano para proibir os navios que violam o limite de preços de receber serviços de petróleo da UE, como corretagem ou seguros. Autoridades dos EUA temiam que o plano da UE assustasse os transportadores de querer transportar petróleo russo.

Sob um compromisso alcançado por autoridades dos EUA e dos Estados-membros da UE, a proibição de embarcações agora durará 90 dias, de acordo com autoridades europeias. Basear-se-á também em provas de que o navio violou deliberadamente o limite máximo de preços.

A Grécia, Malta e Chipre, cada um dos quais com grandes indústrias marítimas, precisam de assinar o compromisso para que a UE avance com o limite máximo de preços.

O Departamento do Tesouro dos EUA divulgou na terça-feira orientações para o cumprimento do limite de preços, reiterando que as empresas só estarão sujeitas a penalidades se conscientemente prestarem serviços a remessas de petróleo russas que violem o limite de preços.

A orientação também afirma que o preço do limite máximo pode mudar ao longo do tempo. Um alto funcionário do Tesouro disse que os países ocidentais monitorarão as condições do mercado à medida que considerarem mudanças no limite, acrescentando que possíveis ajustes provavelmente acontecerão trimestralmente ou semestralmente.

O Ocidente também planeja estabelecer dois limites de preços distintos para os produtos petrolíferos russos em 5 de fevereiro.

Autoridades russas disseram repetidamente que se recusarão a vender petróleo sob um limite de preço, embora o governo Biden veja essas ameaças como um blefe. Yellen disse em uma entrevista recente que os EUA poderiam se afastar ainda mais da Reserva Estratégica de Petróleo se a Rússia cortar seus suprimentos e aumentar os preços globais.

“Achamos que o teto de preços vai funcionar e ainda temos possibilidades com as Reservas Estratégicas de Petróleo que poderíamos usar”, disse ela.

Manter o petróleo russo disponível nos mercados globais (na esperança de evitar que os preços subam), tem sido um objetivo crítico para o governo Biden nas negociações de teto de preços.

O teto de preços substituiria o plano da Europa de proibir completamente o financiamento e o seguro dos embarques de petróleo russos, que entraria em vigor em 5 de dezembro se os aliados ocidentais não conseguissem chegar a um acordo sobre o limite. Autoridades dos EUA temiam que as sanções originais da UE cortassem o petróleo russo dos mercados globais e elevassem os preços da energia. Por isso querem colocar o limite de preços em vigor até essa data.

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia tem afetado o preço do petróleo, e isso pode levar a uma crise sem precedentes. Clique aqui e veja como ganhar com a maior crise dos últimos anos do mercado.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques