Veja como a renúncia a uma lei centenária pode ajudar a resolver a crise do diesel nos Estados Unidos

Os EUA está enfrentando uma crise de abastecimento de diesel cada vez pior, e a possibilidade de uma revogação na chamada "Lei Jones" está no caminho de aliviar a crise.

Os EUA estão enfrentando uma crise de abastecimento de diesel cada vez pior, e uma lei centenária está no caminho de aliviar a situação.

Nesta época do ano, os estoques de reserva de diesel estão abaixo do esperado em décadas. Para se ter uma ideia deste desastroso cenário atual, no mês passado, o índice do reservatório atingiu o equivalente a 25 dias de oferta, já que o estoque estava em 106 milhões de barris e a demanda estava em 4,2 milhões de barris por dia, segundo a Energy Information Administration.

“A escassez é consequência dos estágios iniciais da pandemia do COVID-19, quando a demanda por gás caiu e as refinarias interromperam as operações”, disse Matt Smith, analista de petróleo da Kpler, ao Insider.

Os camiões a gasóleo continuaram a entregar mercadorias em todo o país. O consumo do combustível manteve-se elevado apesar da desaceleração da produção da refinaria, o que resultou numa diminuição gradual dos estoques há mais de dois anos.

“O golpe duplo é que, à medida que a demanda aumentou após a pandemia, os EUA está exportando mais, bem mais de um milhão de barris por dia, e o triplo golpe são as sanções que chegam às exportações de diesel da Rússia no início do próximo ano, então o cenário global é de oferta restrita”, analisa Smith.

Renúncia à Jones Act
Para Smith, a escassez de diesel poderia diminuir se os funcionários do governo renunciassem a Jones Act ou a Merchant Marine Act de 1920. O artigo afirma que a carga transportada entre dois portos dos EUA deve ser trazida em navios construídos e tripulados principalmente por americanos.

Mas o número de navios-tanque que atendem a essas especificações é limitado, o que faz com que o custo de usá-los seja aproximadamente o dobro de um navio estrangeiro. As despesas adicionais tornam os navios-tanque dentro desta lei, menos atraentes para os comerciantes.

Isso significa que a Nova Inglaterra, que enfrenta uma forte escassez de diesel, deve importar suprimentos do exterior ou da costa do Golfo dos EUA. Mas a Jones Act torna muito caro transferir o diesel da Costa do Golfo para a Costa Leste, disse Smith, exacerbando os desafios regionais e levando os compradores a buscarem opções mais baratas do exterior.

“Em uma reviravolta bastante bizarra, a Costa do Golfo dos EUA envia diesel para todos os tipos de países, mas não para a Costa Leste dos EUA”, disse ele. “Quanto à costa leste dos EUA, resta importar de lugares tão distantes quanto a Índia e o Catar.”

Smith observou que, embora uma ampla suspensão da Jones Act melhorasse a crise do diesel, ela ainda não foi revogada porque é uma “batata quente política”.

O Departamento de Segurança Interna disse recentemente à CNBC que as isenções da Jones Act são concedidas caso a caso e que o mandato é fundamental para manter a força das indústrias marítimas e de construção naval dos EUA.

O DHS aprovou pela última vez uma isenção para Porto Rico em setembro para uma resposta de emergência ao furacão Fiona.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques