Goldman Sachs revela o melhor hedge contra inflação

Petróleo e commodities são “a melhor aposta” quando se trata de proteção contra inflação, aumento das taxas de juros e risco geopolítico, de acordo com Jeff Currie, do Goldman Sachs.

Petróleo e commodities são “a melhor aposta” quando se trata de proteção contra inflação, aumento das taxas de juros e risco geopolítico, de acordo com Jeff Currie, do Goldman Sachs.

Currie, chefe global de pesquisa de commodities do Goldman, disse que os investidores podem se proteger dos fatores que perturbam os mercados financeiros. Isso acontece porque os preços do petróleo devem subir ainda mais no curto prazo.

“Petróleo e commodities são o melhor hedge para o ambiente em que estamos agora”, disse Currie.

“Eles são a melhor proteção contra a inflação, bem como a melhor proteção contra o aumento das taxas de juros. Essas ações também são a melhor opção contra o risco geopolítico.

Ele acrescentou que as commodities estão tendo o desempenho anunciado, apontando para os retornos positivos do setor este ano.

O S&P North American Natural Resources ETF, por exemplo, que inclui ações de todo o setor de energia e materiais dos EUA, retornou cerca de 25% este ano. Em contrapartida, o S&P 500 caiu quase 20% no mesmo período.

S&P North American Natural Resources ETF (SPDR)

Dólar por ação

A Goldman Sachs espera que os preços do petróleo subam para US$ 115 o barril, devido a “fundamentos rígidos” no mercado. o preço-alvo da Goldman representa uma vantagem de 22-30%.

Currie disse que a meta de preço do banco enfrenta riscos adicionais, já que o mercado enfrenta uma perda de oferta da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA. Em outubro, o presidente Joe Biden estendeu a liberação da SPR até dezembro, com um adicional de 10 a 15 milhões de barris de petróleo.

A implementação do embargo da União Europeia ao petróleo russo, previsto para o início de dezembro, também aumentará ainda mais os preços do petróleo, disse Currie.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias