‘Isso é sério’: Jamie Dimon, do JPMorgan, alerta que os EUA provavelmente entrarão em recessão em 6 a 9 meses

O CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, disse que a economia dos EUA “na verdade ainda está indo bem” no momento e os consumidores provavelmente estarão em melhor forma em comparação com a crise financeira global de 2008, quando o mundo entrar em recessão


Os apontamentos de Dimon, vêem em um momento de crescente preocupação com a perspectiva de uma recessão econômica, enquanto o Federal Reserve e outros grandes bancos centrais seguem aumentado as taxas de juros para combater a inflação crescente.

JPMorgan Chase, o CEO Jamie Dimon alertou na segunda-feira, que uma mistura muito séria de ventos contrários provavelmente levará a economia dos EUA e global à recessão em meados do próximo ano.

Dimon, presidente do maior banco dos EUA, disse que a economia dos EUA ainda está indo bem no momento, e que os consumidores provavelmente estarão em melhor forma, se comparado a 2008.

“Mas você não pode falar sobre economia sem falar sobre coisas no futuro – e isso é coisa séria”, disse Dimon a Julianna Tatelbaum da CNBC.

Entre os indicadores que soam o alarme, Dimon citou o impacto da inflação descontrolada, as taxas de juros subindo mais do que o esperado, os efeitos desconhecidos da flexibilização quantitativa e a guerra da Rússia na Ucrânia .

“Essas são coisas muito sérias que acho que provavelmente pressionarão os EUA e o mundo – quero dizer, a Europa já está em recessão – e provavelmente colocarão os EUA em algum tipo de recessão daqui a 6 a 9 meses. ”, disse Dimon.

Seus comentários vêm em um momento de crescente preocupação com a perspectiva de uma recessão econômica, à medida que o Federal Reserve e outros grandes bancos centrais aumentam as taxas de juros para combater a inflação.

Falando à CNBC no mês passado, o presidente do Federal Reserve de Chicago, Charles Evans , disse estar apreensivo com o fato de o banco central dos EUA ir longe demais, rápido demais em sua tentativa de combater as altas taxas de inflação.

TAXAS DO FED

O Fed elevou as taxas de juros de referência em três quartos de ponto percentual no mês passado, o terceiro aumento consecutivo desse tamanho. Autoridades do Fed também indicaram que continuariam elevando as taxas bem acima da faixa atual de 3% a 3,25%.

Dimon disse que enquanto o Fed “esperou demais e fez muito pouco”.

“Você sabe, a partir daqui, vamos todos desejar-lhe sucesso e manter nossos dedos cruzados para que eles consigam desacelerar a economia o suficiente.”

“Pode ir de muito leve a muito difícil e muito dependerá do que acontecer com esta guerra. Acho difícil adivinhar, esteja preparado.”

‘Adivinhar é difícil, esteja preparado’
Dimon disse não ter certeza de quanto tempo uma recessão nos EUA pode durar, acrescentando que os participantes do mercado devem avaliar uma série de resultados.

Dimon disse que a única garantia de que ele pode ter certeza são os mercados voláteis. Ele também alertou que isso pode coincidir com condições financeiras desordenadas.

Questionado sobre suas opiniões sobre as perspectivas para o S&P 500, Dimon disse que o benchmark ainda pode cair “outros 20% fáceis” em relação aos níveis atuais.

Falando a uma sala cheia de analistas e investidores no início de junho, Dimon disse que estava preparando o banco para um “furacão” econômico causado pelo Federal Reserve e pela guerra na Ucrânia.

“O JPMorgan está se preparando e vamos ser muito conservadores com nosso balanço”, disse Dimon na época. Ele aconselhou os investidores a fazer o mesmo.

O JPMorgan deve divulgar os resultados financeiros do terceiro trimestre na sexta-feira.

As ações do banco caíram cerca de 33% no acumulado do ano.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias