Petróleo mantém a maioria dos ganhos recentes antes da reunião da OPEP+

O petróleo estava estável nesta quarta-feira após ganhos nos últimos dias, já que os produtores da Opep+ devem concordar com metas de cortes profundos na produção no final do dia, apesar do mercado apertado e da oposição aos cortes dos Estados Unidos e outros.

O petróleo Brent subiu 2 centavos, ou menos de 0,1%, a US$ 91,82 por barril às 1037 GMT, enquanto o petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) caiu 5 centavos, ou 0,1%, para US$ 86,47 por barril. Ambos os contratos subiram acentuadamente nos últimos dois dias.

O petróleo subiu até agora esta semana em antecipação ao maior corte de produção pela Opep + desde as profundezas da pandemia de COVID-19 em 2020, disse Fiona Cincotta, analista sênior de mercados financeiros do City Index.

“Na realidade, o impacto real de um grande corte seria menor, já que alguns membros não estão conseguindo atingir suas cotas de produção”, acrescentou Cincotta.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados liderados pela Rússia, chamados de Opep+, se reunirão em Viena para discutir cortes de produção de até 2 milhões de barris por dia (bpd), disse uma fonte da Opep à Reuters.

“A OPEP+ tem um bom equilíbrio para caminhar na escala de cortes de produção que provavelmente serão anunciados hoje. Feche muito as torneiras e os preços subirão ao custo da destruição da demanda. Corte muito pouco e a liquidação prejudicará a receita da OPEP+”, disse Ehsan Khoman, chefe de pesquisa de mercados emergentes do MUFG.

Os Estados Unidos estão pressionando os produtores da Opep+ a evitar cortes profundos, disse uma fonte familiarizada com o assunto à Reuters, enquanto o presidente Joe Biden tenta evitar um aumento nos preços da gasolina nos EUA antes das eleições parlamentares de meio de mandato em 8 de novembro.

Biden tem lutado com os preços da gasolina o ano todo e, depois de um pico, eles diminuíram, algo que seu governo divulgou como uma grande conquista.

O impacto real na oferta de uma meta de produção mais baixa seria limitado, pois vários países da OPEP+ já estão bombeando bem abaixo de suas cotas existentes. Em agosto, a OPEP+ falhou sua meta de produção em 3,58 milhões de bpd.

No entanto, um acordo sobre grandes cortes “enviaria uma forte mensagem de que o grupo está determinado a apoiar o mercado”, disseram analistas da ANZ Research em nota, acrescentando que “apertaria significativamente o mercado”.

Os estoques de petróleo bruto dos EUA caíram cerca de 1,8 milhão de barris na semana encerrada em 30 de setembro, segundo fontes do mercado citando dados do American Petroleum Institute na terça-feira.

Um aumento do dólar americano também pressionou os preços do petróleo, pois torna o petróleo mais caro para os compradores que possuem outras moedas

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques