Morgan Stanley atualiza a Ford, diz que recente retração oferece um ponto de entrada atraente

Os investidores podem se beneficiar da compra de ações da Ford Motor daqui para frente, de acordo com o Morgan Stanley.

O analista Adam Jonas, que é amplamente seguido em Wall Street, elevou a montadora de peso igual para excesso de peso, reiterando sua meta de preço de US$ 14 por ação. Essa meta implica em alta de 13,2% em relação ao fechamento de terça-feira de US$ 12,36. As ações da Ford subiram 1% no pré-mercado.

As ações da Ford estiveram sob pressão recentemente, perdendo 18,5% no mês passado, depois que a empresa alertou no final de setembro sobre um extra de US$ 1 bilhão em custos da cadeia de suprimentos para o terceiro trimestre. A Ford também disse que os problemas de abastecimento levaram a uma escassez de 40.000 a 45.000 veículos .

“O alerta de lucros do 3T, juntamente com as preocupações macro, resultaram em um declínio nas expectativas do lado da compra e uma forte retração nas ações. As ações da Ford são negociadas a aproximadamente 8x nossa previsão normalizada de EPS de US$ 1,50”, escreveu Jonas.

No entanto, ele também disse que esse recuo pode ser uma oportunidade de compra para os investidores.

“O desenvolvimento idiossincrático potencialmente favorável em relação à reestruturação da empresa (criação do Ford Blue e Ford Model e) tem o potencial de alinhar melhor as necessidades de crescimento e capex do negócio de EV com um custo de capital mais favorável”, disse Jonas, acrescentando que a assinatura da Lei de Redução da Inflação poderia impulsionar o negócio de veículos elétricos da Ford nos EUA.

Em outras partes do espaço automobilístico, Jonas baixou sua meta de preço na General Motors para US$ 30 por ação de US$ 42 e reiterou sua classificação de peso igual na ação. A nova meta é 17,3% acima do fechamento de terça-feira de US$ 35,80.

O analista observou que, embora a GM não tenha emitido um aviso semelhante ao da Ford, a decisão deste último “provavelmente será um evento de referência para a indústria”.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques