Japão reduzirá custos de eletricidade em meio ao iene fraco e riscos de recessão, diz primeiro-ministro

O Japão tomará medidas "sem precedentes" para conter o aumento das contas de eletricidade para residências e empresas, já que o iene fraco aumenta a inflação e os temores de recessão global representam grandes riscos para a economia, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida nesta quarta-feira.

O governo elaborará outro plano de estímulo econômico até o final de outubro, incluindo uma medida rara para aliviar diretamente o aumento dos preços da eletricidade que estão sujeitos a aumentos abruptos de preços, disse Kishida ao parlamento, sem entrar em detalhes.

No passado, o governo pagou subsídios a atacadistas de combustível para manter os preços da gasolina e do querosene baixos, mas agora os formuladores de políticas estão lançando novas ideias, como fornecer pagamentos em dinheiro e conceder subsídios a empresas de serviços públicos para conter os aumentos nos preços da energia.

O governo também está considerando um esquema de subsídio para gás de consumo e industrial no próximo pacote, o que aumentaria ainda mais o tamanho do layout fiscal envolvido, informou a Kyodo na quarta-feira.

Diante da queda nas taxas de aprovação pública, o partido no poder de Kishida está considerando um novo pacote de gastos no valor de pelo menos US$ 100 bilhões para combater a inflação.

“O aumento dos preços da energia e dos alimentos devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, juntamente com um iene fraco, e os temores de uma desaceleração econômica global são grandes fatores de risco para a economia do Japão”, disse Kishida.

Os preços ao consumidor em Tóquio subiram em setembro no ritmo mais rápido desde 2014, mostraram dados do governo nesta segunda-feira, destacando o fardo crescente para as famílias da queda do iene para mínimos de 24 anos, o que está aumentando os custos de importação já crescentes.

Para aliviar a dor da inflação de custos para tudo, de alimentos a energia, os formuladores de políticas japonesas estão pedindo às empresas que aumentem os salários, o que é essencial para iniciar um ciclo de crescimento sustentável de salários mais altos, maiores gastos do consumidor e investimento empresarial.

Quatro conselheiros do setor privado no principal painel consultivo econômico de Kishida instaram o governo a implementar políticas que ajudem a alcançar um crescimento econômico real de 2% a 2,5%, a fim de tornar mais fácil para as grandes empresas implementar os aumentos salariais de 2,07% acordados por administração e sindicatos no início deste ano.

Analistas consultados pela Reuters veem a economia crescendo 1,9% neste ano fiscal, mas desacelerando em 2023, à medida que a demanda global diminui.[ECILT/JP]

Os assessores disseram que o governo deve fazer dos aumentos salariais uma condição para que as pequenas empresas recebam apoio do governo. Eles também disseram que empresas menores, muitas das quais são contratadas em cadeias de suprimentos, devem repassar os custos para seus clientes maiores.

Com uma “situação fiscal sem precedentes” devido a repetidos orçamentos extras nos últimos anos, as medidas fiscais devem visar aqueles que mais precisam de ajuda e visar o crescimento liderado pelo setor privado, disse o ministro das Finanças, Shunichi Suzuki, ao painel de quarta-feira, de acordo com um funcionário do governo. .

Kishida disse anteriormente no parlamento que é importante para o Japão vincular o iene fraco à revitalização econômica por meio de uma recuperação do turismo de entrada, trazendo empresas de volta ao país e expandindo as exportações agrícolas, disse Kishida.

Kishida disse que a política monetária é um assunto para o Banco do Japão quando questionado por um legislador da oposição sobre o BOJ manter sua política ultra-fácil, que ajudou a alimentar a queda do iene, enquanto outros grandes bancos centrais aumentam as taxas de juros. Ele se recusou a comentar sobre as perspectivas para a taxa de câmbio.

(US$ 1 = 144,4400 ienes)

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques