Apple cai após Bank of America rebaixar fabricante do iPhone por indicações de desaceleração nos gastos do consumidor

A Apple foi cortada para uma classificação neutra de compra no Bank of America, contribuindo para uma queda de quase 5% nas ações da fabricante do iPhone durante a sessão de quinta-feira.

A Apple foi cortada para uma classificação neutra de compra no Bank of America, contribuindo para uma queda de quase 5% nas ações da fabricante do iPhone durante a sessão de quinta-feira.

O banco de investimento também reduziu seu objetivo de preço em cerca de 14% para US$ 160 por ação, de US$ 185.

“Vemos a desaceleração nos serviços e os prazos de entrega relativamente fracos do iPhone como indicadores de que os gastos do consumidor vão diminuir”, disseram analistas liderados por Wamsi Mohan em nota de pesquisa.

As ações caíram até 4,9%, para US$ 142,48, o menor preço desde meados de julho.

As ações estavam caminhando para um segundo declínio consecutivo, com a queda de quarta-feira desencadeada depois que a Bloomberg informou que a Apple vetou os planos de aumentar a produção de seu novo iPhone 14 este ano porque um aumento de demanda antecipado não havia se concretizado.

As ações da Apple no acumulado do ano caíram cerca de 16% na sessão de quarta-feira. As ações, no entanto, foram percebidas como um porto seguro relativo em comparação com a queda de 29% no setor de Tecnologia da Informação do S&P 500 , disse o BofA.

O BofA disse que os riscos para esse desempenho superior no próximo ano incluem um ciclo mais fraco do iPhone 14 que aponta para a suavidade nos gastos do consumidor, uma trajetória de serviços de curto prazo mais fraca, onde a App Store e o licenciamento via pagamentos do Google podem desacelerar e a pressão de um dólar.

“Embora as perspectivas de longo prazo da Apple permaneçam favoráveis, vemos um risco incremental para os lucros e valorização no curto prazo”, escreveu Mohan.

A projeção de lucro por ação fiscal de 2023 do banco de US$ 5,87 e a visão de receita de US$ 379 bilhões ficaram bem abaixo da estimativa de consenso de US$ 6,46 por ação e US$ 412 bilhões, respectivamente.

Ele disse que os riscos de alta para o rebaixamento de sua classificação incluem vendas mais fortes de iPhones Pro que compensam as vendas mais fracas do iPhone e novos serviços como publicidade que podem mais do que compensar uma desaceleração em outras áreas.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques