Wall Street pagará US$ 1,8 bilhão em multas pelo uso de aplicativos de mensagens proibidos por traders

Onze bancos e corretoras admitem ter violado regras que exigem armazenamento de comunicações escritas

Onze dos maiores bancos e corretoras do mundo pagarão coletivamente US$ 1,8 bilhão em multas para resolver investigações regulatórias sobre o uso de aplicativos de mensagens por seus funcionários que violaram as regras de manutenção de registros, disseram reguladores na terça-feira.

As empresas incluem unidades de corretagem do Bank of America Barclays Citigroup Inc., Credit Suisse Group Deutsche Bank Goldman Sachs Group Morgan Stanley , UBS Group e Nomura Holdings Inc. As corretoras Jefferies LLC e Cantor Fitzgerald & Co. Exchange Commission e a Commodity Futures Trading Commission.

As multas, que muitos dos bancos já haviam divulgado aos acionistas, reforçam a abordagem severa dos reguladores do mercado em relação à execução civil. Multas de US$ 200 milhões, que muitos dos bancos pagarão de acordo com os acordos, normalmente são vistas apenas em casos de fraude ou investigações que alegam danos aos investidores.

Mas a SEC, em particular, durante o governo Biden, pressionou por multas mais altas do que os precedentes, dizendo que quer cobrar multas que punam irregularidades e efetivamente impedem possíveis danos futuros. O foco da SEC na manutenção de registros provavelmente será estendido aos gestores de dinheiro, que também têm o dever de manter comunicações escritas relacionadas a conselhos de investimento.

No mês passado, a SEC alegou que o gerente de fundos de hedge Deccan Value Investors LP e seu diretor de investimentos não conseguiram manter as mensagens enviadas pelo Apple iMessage e WhatsApp. Em alguns casos, o diretor de investimentos instruiu um executivo da empresa a excluir suas mensagens de texto, disse a SEC. As reivindicações foram incluídas em uma ação de execução mais ampla, que Deccan resolveu sem admitir ou negar irregularidades.

O Wall Street Journal informou no mês passado que os acordos anunciados na terça -feira provavelmente chegariam a US$ 1 bilhão e seriam anunciados antes do final de setembro.

Oito das maiores entidades, incluindo Goldman Sachs e Morgan Stanley, concordaram em pagar US$ 125 milhões à SEC e pelo menos US$ 75 milhões à CFTC. A Jefferies pagará um total de US$ 80 milhões aos dois reguladores do mercado, e a Nomura concordou em pagar US$ 100 milhões. Cantor concordou em pagar US$ 16 milhões.

A SEC disse que encontrou “comunicações generalizadas fora do canal”. Em alguns casos, os supervisores dos bancos estavam cientes e até incentivavam os funcionários a usar aplicativos de mensagens não autorizados em vez de se comunicar por e-mail da empresa ou outras plataformas aprovadas.

“As ações de hoje – tanto em termos das empresas envolvidas quanto do tamanho das penalidades ordenadas – ressaltam a importância dos requisitos de manutenção de registros: eles são sacrossantos. Se houver alegações de irregularidades ou má conduta, devemos ser capazes de examinar os livros e registros de uma empresa para determinar o que aconteceu”, disse o Diretor de Execução da SEC, Gurbir Grewal .

O Bank of America, que enfrentou a multa mais alta da CFTC, teve um “uso generalizado e de longa data de métodos não aprovados para se envolver em comunicações relacionadas a negócios”, de acordo com a ordem de liquidação da CFTC. Um trader escreveu em uma mensagem de 2020 para um colega: “Usamos o WhatsApp o tempo todo, mas excluímos conversas regularmente”, segundo a CFTC.

Um chefe de uma mesa de operações do Bank of America disse aos subordinados que excluíssem mensagens de seus dispositivos pessoais e se comunicassem por meio do aplicativo de mensagens criptografadas Signal, disse a CFTC. O chefe dessa mesa de operações renunciou este ano, embora o banco estivesse ciente de sua conduta em 2021, informou a CFTC.

Na Nomura, um trader excluiu mensagens em seu dispositivo pessoal em 2019 depois de ser informado de que a CFTC as queria para uma investigação, disse a agência. O trader fez declarações falsas à CFTC sobre o cumprimento do pedido de registros, disse o regulador.

Os corretores devem seguir regras rígidas de manutenção de registros destinadas a garantir que os reguladores possam acessar os documentos para fins de supervisão. As empresas que se estabeleceram com a SEC e a CFTC admitiram que a conduta de seus funcionários violava esses regulamentos.

O braço de corretagem do JPMorgan Chase & Co. foi o primeiro a fazer um acordo com os dois reguladores do mercado por sua falha em manter os registros eletrônicos necessários. O JPMorgan pagou US$ 200 milhões no ano passado e admitiu que alguns funcionários usaram o WhatsApp e outras ferramentas de mensagens para fazer negócios, o que também infringiu as próprias políticas do banco.

Os reguladores descobriram que algumas comunicações do JPMorgan, que deveriam ter sido entregues para investigações de fiscalização separadas, não foram coletadas porque foram enviadas em dispositivos pessoais ou aplicativos de funcionários que o banco não supervisionou.

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques