Chefe da AIE rejeita o plano da Rússia de mudar as exportações de gás da Europa para a Ásia, dizendo que levará pelo menos 10 anos – ‘Você não está vendendo cebolas’

"As implicações serão muito ruins para a energia, muito ruins para a economia, mas extremamente ruins politicamente", disse Birol ao FT durante o Fórum Global de Ação de Energia Limpa em Pittsburgh. "Se a Europa falhar neste teste em energia, pode ir além das implicações energéticas."

O plano da Rússia de substituir seus clientes de gás natural na Europa exportando mais para clientes na Ásia levará anos, de acordo com Faith Birol, diretora executiva da Agência Internacional de Energia.

Em entrevista ao Financial Times, ele disse: “Você não está vendendo cebolas no mercado. Você tem que construir oleodutos, infraestrutura, logística. Isso levará pelo menos 10 anos”.

Birol acrescentou que a Rússia terá problemas para manter sua produção de energia, pois as sanções bloqueiam a tecnologia e o capital ocidentais necessários para reparar campos de petróleo e gás.

Embora os cortes do Kremlin nos fluxos de gás para a Europa tenham desencadeado uma crise energética total para o continente, ele disse que a Rússia “já perdeu a batalha energética” contra a Europa, que está procurando fornecedores alternativos.

“A Rússia perdeu um bom cliente, e para sempre. Este cliente pagou o dinheiro em dia e não criou nenhum problema político”, disse Birol.

Mas a crise energética da Europa pode ameaçar a unidade entre os membros da UE, alertou, dizendo temer “um cenário de oeste selvagem” no qual os países restringem o comércio ou param de cooperar para garantir seus próprios suprimentos para o inverno.

“As implicações serão muito ruins para a energia, muito ruins para a economia, mas extremamente ruins politicamente”, disse Birol ao FT durante o Fórum Global de Ação de Energia Limpa em Pittsburgh. “Se a Europa falhar neste teste em energia, pode ir além das implicações energéticas.”

Para receber mais conteúdos como este, se inscreva no nosso Canal do Telegram.

Últimas notícias

Destaques