Um grande aperto de cobre está chegando para a economia global

A recente queda nos preços do cobre só deve piorar o déficit que se aproxima, já que a queda desencoraja novos investimentos para o metal usado em veículos elétricos e redes elétricas.

A recente queda nos preços do cobre só deve piorar o déficit que se aproxima, já que a queda desencoraja novos investimentos para o metal usado em veículos elétricos e redes elétricas.

O preço do cobre – usado em tudo, desde chips de computador e torradeiras a sistemas de energia e condicionadores de ar – caiu quase um terço desde março. Os investidores estão vendendo com medo de que uma recessão global atrapalhe a demanda por um metal que é sinônimo de crescimento e expansão.

Você não saberia disso olhando para o mercado hoje, mas alguns dos maiores mineradores e comerciantes de metais estão alertando que em apenas alguns anos, um enorme déficit surgirá para o metal mais crítico do mundo – um que poderia se conter o crescimento global, alimentar a inflação aumentando os custos de fabricação e desviar as metas climáticas globais. A recente desaceleração e o subinvestimento que se segue apenas ameaçam piorar a situação.

“Vamos olhar para 2022 e pensar ‘Opa’”, disse John LaForge, chefe de estratégia de ativos reais da Wells Fargo. “O mercado está apenas refletindo as preocupações imediatas. Mas se você realmente pensou no futuro, pode ver que o mundo está claramente mudando. Vai ser eletrificado e vai precisar de muito cobre.”

Os estoques monitorados pelas bolsas de negociação estão próximos dos mínimos históricos. E a mais recente volatilidade de preços significa que a produção de novas minas – já projetada para começar a se esgotar em 2024 – pode se tornar ainda mais apertada em um futuro próximo. Apenas alguns dias atrás, a gigante de mineração Newmont Corp. engavetou planos para um projeto de ouro e cobre de US$ 2 bilhões no Peru. A Freeport-McMoRan Inc., a maior fornecedora de cobre de capital aberto do mundo, alertou que os preços agora são “insuficientes” para sustentar novos investimentos.

Especialistas em commodities vêm alertando sobre uma possível crise de cobre há meses, se não anos. E a mais recente desaceleração do mercado pode agravar futuros problemas de fornecimento – oferecendo uma falsa sensação de segurança, sufocando o fluxo de caixa e desencorajando os investimentos. Leva pelo menos 10 anos para desenvolver uma nova mina e colocá-la em funcionamento, o que significa que as decisões que os produtores estão tomando hoje ajudarão a determinar os suprimentos por pelo menos uma década.

“Investimentos significativos em cobre exigem um bom preço, ou pelo menos um bom preço percebido de cobre no longo prazo”, disse o presidente-executivo do Grupo Rio Tinto, Jakob Stausholm, em entrevista esta semana em Nova York.

Por que o cobre é importante?
O cobre é essencial para a vida moderna. Há cerca de 65 libras (30 quilos) em um carro comum, e mais de 400 libras vão para uma casa unifamiliar.

O metal, considerado referência na condução de eletricidade, também é fundamental para um mundo mais verde. Embora grande parte da atenção tenha sido focada no lítio – um componente-chave nas baterias atuais – a transição energética será alimentada por uma variedade de matérias-primas, incluindo níquel, cobalto e aço. Quando se trata de cobre, milhões de pés de fiação de cobre serão cruciais para fortalecer as redes elétricas do mundo, e toneladas e toneladas serão necessárias para construir parques eólicos e solares. Os veículos elétricos usam mais do que o dobro de cobre que os carros movidos a gasolina, de acordo com a Copper Alliance.

Mais notícias