Barclays rebaixa a Nike rumo aos lucros na próxima semana, cita uma série de desafios para fabricante de vestuário

Afaste-se da Nike indo para a divulgação de resultados da empresa na próxima semana, aconselhou o Barclays.

Afaste-se da Nike indo para a divulgação de resultados da empresa na próxima semana, aconselhou o Barclays.

A analista Adrienne Yih rebaixou as ações para o mesmo peso do excesso de peso, dizendo que a varejista de roupas esportivas pode divulgar resultados de ganhos “potenciais de baixa qualidade” na próxima semana , enquanto continua lidando com problemas de estoque.

“Rebaixamos as ações da NKE para Equal Weight com base em: 1) nossa tese de baixa de risco de demanda do setor de atacado, 2) volatilidade contínua no mercado da Grande China (“China”), 3) excesso de estoque de NA criando maior risco operacional, 4) potencial erosão da demanda em NA e EMEA, e 5) ventos contrários no câmbio, principalmente na Europa”, escreveu Yih em nota na terça-feira.

As ações da Nike caíram 36% este ano e cerca de 40% abaixo da máxima de 52 semanas, já que a gigante do vestuário esportivo lidou com o aumento da inflação, problemas na cadeia de suprimentos e bloqueios de Covid na China.

Ainda assim, a analista disse que a cautela do investidor é necessária e ela espera que esses desafios continuem à medida que o risco de estoque aumenta, especificamente na América do Norte, apontando para a fraqueza em uma região que até agora ajudou a compensar as quedas nas vendas na China.

“O spread do FY4T22 IM [Gestão de Estoque] foi de -1.988 bps. Esperamos que o Spread IM do 1T23 piore ainda mais, impulsionado pela América do Norte (“NA”). Acreditamos que a temporada de outono/feriado continuará sendo altamente promocional em todo o varejo dos EUA e nos preocupamos que a parte de atacado dos negócios da NKE possa começar a ver receitas mais lentas na primavera de 23”, dizia a nota.

“Apesar do sentimento já cauteloso dos investidores, acreditamos que a expansão da margem será mais desafiada no médio prazo e, portanto, a pressão sobre os lucros pode dificultar que a NKE saia de uma faixa de negociação nos próximos 12 a 18 meses. ”, escreveu Yih.

O analista baixou seu preço-alvo para US$ 110, um corte de 12% em relação aos US$ 125 anteriores. A nova meta de preço está praticamente alinhada com o preço de fechamento de segunda-feira de US$ 107,21. As ações caíram 2,3% nas negociações de pré-mercado de terça-feira e caíram 3,5% na terça-feira ao meio-dia.

Leia também